sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Google, SEO etc.

[Opinião]
Apesar desse espaço não ser voltado para marketing, resolvi postar sobre uma observação que fala sobre tecnologia também, algo que há tempos observo sobre SEO e vejo que muito pouca gente acordou pra esse fato.
Imagem: Freepik.com

O Google procura cada vez mais dificultar o entendimento sobre seu algoritmo de buscas para o usuário. "Tentar entender o Google" é cada vez mais improdutivo, embora seja a base do trabalho de quem faz divulgação online.
Esse texto sobre RankBrain (atualização sobre o algoritmo de buscas do Google) mostra uma tentativa de entender como esse algoritmo funciona nas buscas, retornando um resultado impreciso.
O Google há algum tempo oferece posicionamentos irregulares nas buscas como forma de evitar o entendimento de seu algoritmo e democratizar as buscas - p.ex., se as mesmas pessoas sempre ficarem no topo das buscas isso vai ser ruim para o mercado como um todo (pesquisas pagas e orgânicas).
Se entender buscas orgânicas for algo fácil ninguém mais vai comprar publicidade do Google.
Até aqui fácil de entender.
Mas agora essa estratégia de confundir o usuário no entendimento do algoritmo parece se estender para a intenção das buscas - estou começando a crer que o Google monitora buscas que podem ser lidas como buscas feitas por robôs ou buscas para entender o próprio algoritmo.
Se essa teoria da conspiração que estou propondo for real, os critérios para entender o algoritmo dos buscadores - Google? - vai ter de mudar no mesmo sentido.
Focar no "feijão -com-arroz" (coisas que tradicionalmente trazem resultados) e "comer pelas beiradas" (procurar meios alternativos de obter resultados) vão ser mais efetivos do que entrar nas redes sociais e tentar descobrir porque a página da web que "bombava nos acessos" até anteontem, hoje não consegue resultados sequer ruins.
Um dos motivos que talvez explique esse estado de coisas é a evolução do mercado, do consumidor e até da tecnologia, que traz novas demandas, continuamente.
Por outro lado essas mudanças constantes podem levar a situações no mínimo curiosas, como o famoso tiro pela culatra: de tanto inovar para manter o interesse (consumo) do público constante, pode-se estar criando um público avesso a mudanças.
Qualquer paralelo com a evolução dos costumes e onda de conservadorismo atual não é obra do acaso; sem fazer juízo de valor, a sociedade cria seus problemas na mesma medida que constrói suas soluções imediatas, de curto prazo.
Eu prevejo que as atuais políticas do buscador Google de ocultação - ou preservação - de seus segredos num futuro próximo podem se reverter em problemas de difícil solução para o Google, ou podem ser drasticamente alteradas, na medida em que a atual estratégia leve os profissionais de SEO a encontrar soluções que dispensam o Google como ferramenta de trabalho.
Se for fazer um paralelo, usaria a comparação entre TV e internet como midia.
A internet não acabou com a TV, assim como a TV não acabou com o rádio, mas se o entendimento do Google como ferramenta se tornar um obstáculo muito difícil para a maioria, o Google pode se tornar apenas "mais uma" ferramenta de trabalho, para quem vive de divulgação online.

Nenhum comentário:

Postar um comentário