quinta-feira, 20 de outubro de 2022

Aceleradores de navegação: opiniões e impressões

Imagem: Freeimages

Tenho usado aceleradores de navegadores web e se por um lado cheguei a conclusões meio óbvias - informática não é uma ciência exata - por outro, reforcei certos paradigmas que já tinha, como que não podemos nos dar ao luxo de não acompanhar as mudanças.

Incluindo aceleradores de navegação web.

quarta-feira, 12 de outubro de 2022

A volta da guerra dos navegadores

 

Imagem: Slide Player

Introdução:

Depois que Bill Gates resolveu se afastar da MicroSoft para se dedicar a filantropia, a MS se tornou mais aberta ao mundo, abandonando muitas soluções propietárias/fechadas e adotando soluções mais "abertas" e sintonizadas com a época atual.

P. ex., a Microsoft decidiu (tardiamente) aposentar o Internet Explorer e adotar o Microsoft Edge (com o motor de renderização do Google Chrome). Só que com isso começou uma nova guerra de navegadores, ao não dar mais suporte ao Firefox em seus sites. 

Pra quem não era nascido, no início da internet comercial havia uma disputa entre os navegadores Internet Explorer e o Netscape, da qual o IE saiu vencedor por um período.

Mas essa guerra voltou, com novos atores:

sexta-feira, 23 de setembro de 2022

O computador virtual já é real




A virtualização continua a dar seus passos. E não é só virtualização de software.

O celular depois de virar equipamento de pagamentos (substituindo as máquinas de cartão de crédito) e hardware para outros equipamentos (controle remoto de TV,  ar condicionado e interruptor/dimmer de luz) agora se tornou periférico virtual de computador pessoal.

terça-feira, 20 de setembro de 2022

Modelos de sites e comercialização de software: panorama crítico

Imagem: PNG Tree


[Opinião]
Wallace Vianna é webdesigner e desenvolvedor web

Cenário

O mercado de produtos digitais é mais difícil que o mercado de produtos físicos: piratear um software é relativamente mais fácil do que uma bicicleta, camiseta de marca ou uma agenda de compromissos, p.ex. Isso leva a criação de soluções tão específicas quanto esse produto.

terça-feira, 5 de julho de 2022

Saas x Saap: Software como um serviço ou produto

Opinião: software como um serviço ou como um produto?

Imagem: Lithiosapps



Estava lendo sobre a decisão da Adobe Systems de passar do Saap para o Saas, ao lançar o Photoshop CC/Creative Cloud em versão online, com menos recursos, meio que copiando a concorrência online que já copia o próprio Photoshop, há anos.

Para quem não usa o Photoshop, até agora ele era vendido meio como um serviço (você assina a licença de uso e tem direito a atualização online de tempos em tempos em seu computador, podendo usar em até 2 ou 3 computadores diferentes) meio como um produto, já que ele está em seu computador, e não 100% online (acessado pelo navegador de internet).

Para quem critica essa postura de não oferecer o aluguel do software online antes, resta dizer que ter feito isso seria meio que trair a base de clientes que pagava pra ter o software com o benefício de ter atualizações mais baratas.

Mas os tempos mudaram.

Existem tantos programas online compatíveis com o Photoshop e outros produtos Adobe (O Acrobat é de longe o software da Adobe com mais versões online feitas por concorrentes) que ignorar esse mercado chega a ser suicida.
Outro fator é a evolução do hardware que já permite executar trabalhos pesados no servidor de internet.
Ou seja: adobe com SaaS chegou meio tarde mas não totalmente.

O que não dá mais é ter de fazer instalação de software quando a pirataria já incorporou até o software portátil (sem instalação). 

Sobre isso eu mesmo acredito que num futuro próximo sistemas operacionais de mesa/desktop virão embarcados no hardware (placa mãe) como o Android nos celulares. E vou além: o Windows poderia muito bem ser acessado via internet, a cada vez que o aparelho for ligado, dispensando a re/instalação (software local só em caso de não poder acessar online).
As lan houses e cybercafés agradecem de antemão...


quinta-feira, 21 de abril de 2022

Guia do backup para designers (mas não só designers)

Imagem: Freepik/StorySet


Uma das coisas que aprendi ao longo de anos é que backup tem de ser feito, mas a parte física dele não deve ser responsabilidade sua.

Traduzindo: ter mídia (DVD, Pen Drive, HD) com seu backup subentende ter e manter políticas a respeito, como verificar se o backup foi feito corretamente, se os dados/arquivos não se corromperam ao longo do tempo, como recuperar o tipo de backup etc.

Motivo: nenhuma mídia é eterna: um dia o HD, Pen Drive ou DVD vão parar de ler ou funcionar. Então, saber o que fazer (ex.: como e o que guardar) acaba sendo tão importante quanto onde fazer (onde armazenar).

Conclusão: é mais prático pagar ou utilizar armazenamento de terceiros (na nuvem, p.ex.) e empurrar pra outras pessoas a preocupação de ter de trocar o HD, verificar se os dados não se corromperam nem pegaram vírus, de tempos em tempos. E focar no principal: ganhar o sustento.

Como espaço pra backup não é infinito e tem um custo, seguem algumas sugestões que adotei ao longo do tempo:

quarta-feira, 13 de abril de 2022

Blog profissionais de tecnologia: o ano que passou (2021)


130.841 visualizações
até 2021.

Quero contabilizar e agradecer aos leitores por esses números, que mostram como esse blog continua sendo uma fonte de informação útil para a comunidade.

Eu, Wallace Vianna, editor e Alexandre Campos, criador desse blog, somos gratos a todos vocês pela atenção.